Espelho

Junho 2019

Thalita Carauta

4,0 2 x
A atriz Thalita Carauta relata ter entendido os limites impostos pela cor da sua pele ao começar na profissão e destaca tentar sempre trazer verdade em suas personagens, mesmo a partir da caricatura.

Viviana Santiago

4,0 4 x
A professora Viviana Santiago se declara como sobrevivente de uma sociedade racista, destaca a dificuldade das pessoas em se reconhecerem como violentas e fala da sofisticação de estruturas segregacionistas.

Mara Behlau E Marisa Barbara

3,0 4 x
Mara Behlau e Marisa Barbara, especialistas em comunicação humana, explicam os motivos para o contato entre os indivíduos ter se tornado tão violento e detalham a influência das novas tecnologias.
Maio 2019

Tatiana Tibúrcio, Licínio Januário E Hilton Cobra

3,0 4 x
Os atores Licínio Januário, Tatiana Tibúrcio e Hilton Cobra discutem o aprisionamento de expectativa da cultura negra no Brasil e destacam o poder do teatro afro para destruir esses estereótipos.

Paulo Vieira

4,0 4 x
O comediante Paulo Vieira destaca a zona de conforto como maior inimiga de um artista, manifesta sua vocação pelo humor popular e relembra as dificuldades enfrentadas ao deixar o Tocantins.

Ebomi Cici

3,0 5 x
“O preconceito é feito para as pessoas terem poder”. A mãe de santo Ebomi Cici critica a imposição de ideologias religiosas e explica o valor do ensino da cultura negra para as crianças.

Pastor Henrique Vieira

4,0 3 x
“O Estado laico resguarda a manifestação das crenças”. O pastor Henrique Vieira critica os projetos de poder fundamentalistas e defende uma religião focada menos em conceitos e mais nas pessoas.
Abril 2019

Padre Vilson Groh

4,0 5 x
“Jesus se relacionou com estrangeiros, órfãos e pecadores”. O padre Vilson Groh defende o rompimento do processo de naturalização das desigualdades e o investimento na juventude periférica.

Monja Coen

4,0 1 x
“Uma pessoa forte não discrimina”. A zen-budista Monja Coen destaca a sabedoria como fonte de cura para o sofrimento e valoriza a capacidade do ser humano e o poder da compaixão contra o preconceito.

Sophie Charlotte

3,0 3 x
Sophie Charlotte destaca sua sorte em interpretar as personagens que sonhou, a influência ancestral para seguir a carreira como atriz e o seu encantamento pelo trabalho construído com as mulheres que atuou.
Arquivo