Mulheres Na Luta

Dezembro 2018

Profissão Lutadora

3,0 4 x
Por mais que o MMA feminino seja uma das modalidades esportivas que mais dá espaço para as mulheres, o cenário ainda é desigual para elas. Afinal, qual será o futuro da divisão?

O Caminho Da Guerreira

3,0 4 x
Priscila "Pedrita" Cachoeira foi usuária de drogas durante oito anos, mas, com a apoio da sua mãe e de seu mestre, ela conseguiu trocar o vício pela luta num longo e difícil processo de recuperação.

Base Forte

3,0 4 x
Jéssica Andrade "Bate-Estaca", a 1ª brasileira a pisar no UFC, está entre as melhores da sua categoria. A simplicidade de onde nasceu, no interior do Paraná, contrasta com o glamour do octógono.

Mulher Fatal

4,0 4 x
Quando Bethe "Pitbull" descobriu sua paixão pela luta, deixou o casamento, a profissão e enfrentou a família para seguir no esporte. Polêmicas e rivalidades elevaram seu nome ao cenário do UFC.

Garotas Do Ringue

4,0 5 x
Ketlen Vieira e Poliana Botelho, colegas na academia Nova União, deixaram suas famílias para viver no Rio de Janeiro e seguir o sonho de serem campeãs mundiais de MMA.

Noite De Fadas

4,0 4 x
Com suor, garra e coragem, Cris Cyborg, Érica Paes e Ana Maria Índia carimbaram seus nomes no esporte e seguem fazendo história na luta. Após mais de uma década, Cyborg chegou ao topo do UFC.

Dama De Ferro

3,0 3 x
Viviane Pereira “Sucuri” transformou os obstáculos em motivação para realizar o sonho de ser a primeira campeã cearense do UFC. Sua trajetória foi árdua, começando a lutar em um projeto social.

1ª Temporada 1

4,0 3 x
Em 2011, Dana White declarou que nunca veríamos mulheres no UFC. Em menos de dois anos, a atleta olímpica Ronda Rousey conquistou seu espaço e inaugurou uma nova era no esporte.
Arquivo