Transando com Laerte

Dezembro 2018

Tunica Teixeira

4,5 16 x
Laerte recebe Tunica Teixeira para um papo descontraído. A diretora musical passeia por assuntos como a seletividade na hora do sexo, a ligação entre a fé e o amor e a mania de registrar coisas.
Novembro 2018

Dw Ribatski

3,0 16 x
O artista plástico Dw Ribatski confessa sua dúvida em continuar trabalhando na área dos quadrinhos e destaca ser estimulado pelos debates em suas obras, não pela questão financeira.

Wagner Willian

3,0 10 x
O escritor e desenhista Wagner Willian culpa a autocrítica que faz de si mesmo para a demora em lançar o primeiro trabalho e revela que jogou no lixo muitas de suas obras de arte do passado.

Fernando Sampaio

3,0 16 x
O artista circense Fernando Sampaio, cofundador do grupo de palhaços “La Mínima” ao lado de Domingos Montagner, comenta o mercado dos circos e a maior exigência no trabalho com o humor.
Outubro 2018

Inês Castilho

3,0 8 x
“A gente arrombou muitas portas e pagou um preço alto”. A jornalista Inês Castilho debate a questão da opressão contra as mulheres e a importância da união entre os movimentos sociais.

Majeca Angelucci

4,0 17 x
A atriz Majeca Angelucci debate a atitude feminista em quebrar os paradigmas das antigas convenções sociais e volta no tempo para recordar quando representou a apresentadora Laerte.
Setembro 2018

Fefito

3,0 6 x
O apresentador Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, manifesta preocupação com a clareza do discurso na militância LGBT e destaca sua relação não dogmática com a religião cristã.

Glau Fernandes

4,0 13 x
A maquiadora Glau Fernandes comenta o trabalho de montagem em transgêneros e a importância do diálogo como base de incentivo para os clientes conseguirem superar os receios.
Agosto 2018

Ana Maria Gonçalves

3,0 14 x
“O lugar de pertencimento do negro é memoriográfico, e não físico”. A escritora Ana Maria Gonçalves revela como sua obra foi um ritual de passagem para se posicionar como mulher negra.

André Toral

4,0 23 x
“Os quadrinhos são a voz de quem não tem grana pra realizar uma produção”. O desenhista e antropólogo André Toral comenta o fortalecimento das HQs como movimento cultural das periferias.
Arquivo