O Micromundo Dos Artrópodes

Junho 2016
21:27

Colônia

4,3 566 x
David Attenborough mostra a capacidade de alguns artrópodes de viver em colônia, permitindo que cacem, construam casas e dominem arredores. As abelhas operárias fazem uma dança para monstrar às outras uma nova fonte de néctar; as formigas se comunicam lançando e cheirando os feromônios e os cupins constroem castelos com um sistema de ar condicionado para a sobrevivência da rainha.
21:51

Predadores

3,0 575 x
O besouro da família Gyrinidae usa a superfície da água como radar para detectar sua presa; a vespa-esmeralda utiliza o veneno para controlar a vítima até sua toca e a aranha Argiope confecciona uma armadilha com sua poderosa seda e se alimenta até de outros aracnídeos. Neste episódio, David Attenborough revela as estratégias de caça dessas criaturas que, para sobreviver, se alimentam de outros artrópodes.
21:17

Namoro

3,8 562 x
David Attenborough revela como o acasalamento dos artrópodes pode ser complexo, demorado, fascinante e até brutal. Os escorpiões pinças-vermelhas da Tanzânia fazem uma extraordinária dança em seus rituais de acasalamento; os besouros-golias disputam a parceira em uma batalha de forças e a fêmea do louva-a-deus devora a cabeça do macho enquanto é fecundada.
20:47

Reprodução

2,3 787 x
David Attenborough mostra a importância da fase de reprodução dos artrópodes e como isso os transformou na forma de vida animal mais abundante do planeta. A megabunus da classe dos aracnídeos não necessita do macho e gera milhares de clones; o minúsculo macho da aranha-tecedeira precisa depositar o esperma no abdômen da fêmea sem que ela perceba para não ser devorado; a transformação da borboleta que tem sua vida dividida em duas partes; a lagarta que se dedica a comer e crescer e a adulta, des...
21:36

Família

3,0 512 x
A maioria dos artrópodes abandona os seus filhotes para sobreviver por conta própria, mas a barata-rinoceronte cuida de sua cria nos primeiros 6 meses de vida; um determinado tipo de aranha vive em grupo de até 100 indivíduos do mesmo parentesco, o que favorece a sobrevivência de todos. E as formigas dorylus vivem em uma colônia com mais de 50 milhões de indivíduos e toda a comunidade existe para oferecer suporte a rainha.
Arquivo